quarta-feira, 9 de julho de 2008

[uma coisa]

O que você quer ser quando crescer? Autor de livro, quero fazer um livro e viver dos direitos autorais dele e nunca mais ter que fazer mais nada. Isso mesmo, UM livro, eu dizia...que teria que vender mais que a bíblia aparentemente. A idéia de trabalhar muito nunca foi a vencendora nos meus concursos mentais de idéias plausíveis. Sempre fui ansioso, queria terminar as coisas rápido "ficar livre delas" e não sabia porque e nem me importava. Mas hoje eu entendo melhor. Depois que conheci as coisas das quais eu "não quero me livrar" rapidamente, as coisas que eu faria pra sempre, com um sorriso na cara madrugada depois de madrugada. Descobri sobre a realidade imposta e meu desajeito pra estar nela, e que vinha daí meu desespero por atender seus pedidos no menor tempo, e voltar correndo pra vida de verdade. Agora, ainda não posso responder o que sou depois de crescido. Só com o passado pra trás fui começar a querer ser pirata, navegador, aventureiro. Só depois de ser apresentado às inúmeras impossibilidades impostas aos capitães bravios, fui querer ser um. E vou continuar tentando me livrar eficientemente, mas sem pressa, das tarefas a mim encubidas pela língua maliciosa da adultescência. Para em seguida voltar, descansado, aos braços acolhedores da vida. Não muito diferente da observação que Corto Maltese faz sobre as mulheres: "Seriam perfeitas, se pudéssemos deitar em seus braços sem cair em suas mãos". Mas é uma máxima muito amarga... O calor do abraço independe da vilania das mãos. E a vida independe das augúrias supostas, ela está, antes e depois do que quer que seja, e não está lá, mas logo aqui.

O que eu queria ser quando crescesse? Queria viver, no entanto achava que tinha que me livrar da realidade imposta antes, com meu "um" livro. Agora co-existo com essa mesma realidade, existo aqui, mas em função de uma boa vida.

E hoje? Hoje quero inventar mundos e gentes que são, em alguma instância obscura, como os que conheço. Quero achar as caras e os corpos certos no meio de tantos outros e fazer um mundo bonito pra eles. E quero colocar um pouco de vida de verdade nisso tudo, minha parte da vida, da qual já abri mão a tanto tempo, mas se puder, queria usá-la nessas coisas...

"Amor é outra coisa."

Por uma boa vida.

Um comentário:

pilambrosio disse...

Escreveu maravilhosamente bem, Duda...
E se te consola, só fui querer ser pirata depois de crescido também. Queria ser ou isso ou quadrinista.
Tendo em vista que sou péssimo com quadrinhos, meu sonho se vira para a pirataria e os sete mares.

Abração, velhão!